Dia da Reis no Polo da EBI de Colares

 

No dia 6 de janeiro comemorámos na nossa escola o Dia de Reis, lembrando a tradição dos Cantares de Janeiras. 

As Janeiras são uma tradição portuguesa antiquíssima. Formam-se grupos pequenos ou com dezenas de elementos que cantam e animam as localidades, indo de casa em casa ou colocando-se num local central da povoação desejando de uma forma tradicional um bom ano a todos os presentes.

Nos grupos de janeireiros, toca-se pandeireta, ferrinhos, tambor, acordeão e viola, por exemplo.

Em muitas aldeias esta tradição mantém-se viva, especialmente no norte de Portugal e nas Beiras.

As pessoas visitadas são normalmente muito recetivas aos cantores e aos votos que lhes vêm trazer, dando-lhes algo e desejando a todos um bom ano.

 

_
Para abrilhantar esta quadra convidámos a cantora lírica Natália Brito e o pianista Francisco Sales que, mais uma vez, amavelmente aceitaram o nosso convite para mostrar um pouco daquilo que fazem (e tão bem), profissionalmente. Ouvimos, encantados, canções como “São os Reis”, “Natal de Elvas” ou “Hallelujah” a qual acompanhámos em coro e em animada cantoria. Um dos momentos mais divertidos foi quando cantámos a nossa versão da canção “Jingle Bells”.

Algumas das turmas apresentaram também cantigas aos restantes colegas, fazendo-se acompanhar de pandeiretas.

Para surpresa nossa, no final da manhã, recebemos a visita de um numeroso grupo de alunos e professoras da EPAV que veio cantar igualmente as Janeiras.

Foi um dia muito animado na nossa escola.

_

Nuno Fernandes

 

Tradução Automática Entre Chinês e Português

 

O projeto “CNPTDeepMT – Tradução Automática Profunda entre Chinês e Português no Domínio do eCommerce” é coordenado por António Branco, professor do Departamento de Informática da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e será desenvolvido em colaboração com a Universidade de Zuzhou e o gigante chinês do comércio eletrónico Alibaba.

 

Esta parceria entre Portugal e a China foi iniciada com o projeto europeu de tradução automática QTLeap, igualmente coordenado por António Branco e que teve como consultor externo, Deyi Xiong, investigador principal da equipa chinesa neste novo projeto, iniciado em janeiro de 2017 e que tem a duração de três anos.

 

A investigação em tradução automática teve o seu início na década de 50 do século passado, sendo parte da área de Processamento de Linguagem Natural, que por sua vez se integra no domínio mais abrangente da Inteligência Artificial.

 

Para António Branco o CNPTDeepMT representa “um desafio científico e tecnológico não trivial e para o qual muito pouca investigação foi levada a efeito até agora, num domínio com um impacto societal muito elevado.”

 

+ Ciências

Ciências lidera novo estudo em tradução automática

Entrevista com António Branco – Tradução automática

 

Fonte da imagem: Carole Miles and Jo Decombe

Legenda da imagem: Logotipo do projeto – Teto do Templo do Céu, Pequim, China

Christmas Tree Contest


_
 Os alunos do 3º e 4º ano das escolas básicas do agrupamento Monte da Lua celebraram a quadra natalícia, no âmbito da disciplina de Inglês, deram asas à sua imaginação e alguns construíram belas árvores de Natal, que foram utilizadas para decoração das suas salas de aula, assim como de espaços comuns das escolas. Posteriormente, estas foram alvo de votação, tendo sido atribuídos prémios a diversos trabalhos, como forma de reconhecimento do esforço efetuado. As professoras de Inglês agradecem todo o empenho e dedicação dos alunos envolvidos e das suas respetivas famílias.

_

Ana Oliveira e Sónia Varandas

A Visita das Senhoras da Casa de Repouso

 

_
Dia 5 de dezembro de 2016 as senhoras idosas vieram da Casa de Repouso Quinta de Colares para nos vir visitar. Havia uma senhora de cadeiras de rodas, outra cega, duas com bengalas e outra que ouvia mal.O polivalente estava todo enfeitado com folhas de outono e velas a fazer uma espiral e bolos para no fim comermos. Não esquecendo que o jardim de infância também lá estava e cantou.Antes de chegarmos ao fim, fizemos tricô com as senhoras idosas que ajudaram alguns meninos. Outros ficaram a fazer o deles.

Já na hora do intervalo, começamos a distribuir o bolo e o chá.

À despedida ainda demos umas árvores em origami que nós fizemos.

Nós gostamos desta atividade e gostávamos de repetir.

 

Leonor Lorga com a ajuda da turma 3º A

Eco-Escolas: Recolha de Resíduos

_
http://geracaodepositrao.abae.pt  

_

 

Raquel de Jesus

Postais digitais “Dia de S. Valentim”

Para celebrar o dia de S. Valentim, os alunos, da turma 9º A da escola EBI de Colares, realizaram postais digitais, no editor de imagens “GIMP”, no âmbito da disciplina de TIC.

Aqui partilhamos alguns trabalhos para desejar a todos um Feliz Dia de S. Valentim.

Ana Mota e Cecília Serrario

 

Daniela Rosa, Diogo Azevedo e João Cruz

 

Gonçalo Vicente e Mafalda Sousa

 

Daniel Gomes e Vasco Pimenta

 

Matilde Filipe e Pedro Oliveira

 

Gabriela Livitchi e Pedro Correia

 

Mariana Joaquim e Tatiana Gonçalves

Florbela Ribeiro

Criação de Bolas de Natal

 

No passado mês de dezembro, os alunos do Grupo de Educação Especial construíram um conjunto de bolas de Natal inspiradas em bichinhos e com elas ajudaram a decorar a Biblioteca Escolar.
_
_
Foram utilizados materiais de uso comum, como o papel e o plástico, criando peças inspiradas no meio ambiente e na natureza, conjugando expressão plástica com educação ambiental.

_

Alunos e professores do Grupo de Educação Especial

Almoço de Natal

 

No passado dia 21 de dezembro teve lugar o tradicional almoço de Natal onde marcaram presença professores e funcionários.

Para além de se proporcionar um contacto mais informal e lúdico fora do contexto do quotidiano escolar, foi ainda uma oportunidade para revermos algumas caras amigas que por estarem na merecida reforma ou com a sua atividade profissional fora da EBI de Colares, resolveram matar saudades e pôr a conversa em dia.

 


_

FC

Almoço de Natal no Polo

O dia 16 de dezembro já vai um pouco longe mas foi memorável pelo entusiasmo com que todos se envolveram para que as crianças vivessem em pleno, o espírito natalício.

Houve tempo para tudo: aconchegar o estômago, ouvir um ou outro discurso, cantar, receber prendas do Pai Natal, contar histórias…

As imagens e o vídeo testemunham isso mesmo. Afinal, ao que parece, não foram apenas as crianças que se divertiram à grande, pois os mais crescidos também souberam aproveitar o ambiente festivo e felizmente não se distinguiram tanto do resto da pequenada como é habitual.

_

Pelo sucesso que teve junto da comunidade escolar e do poder local, a expectativa para o próximo ano é elevada e será certamente com enorme satisfação que voltaremos a divulgar esta iniciativa.

 

FC

M.A.S.M.O. – Peça de Janeiro

 


 

Museu Arqueológico de São Miguel de Odrinhas

Monumento funerário de Marcus Valerius Gallio

 

Monumento funerário romano proveniente de São Miguel de Odrinhas, Sintra. É um cipo prismático, datável dos inícios do séc. II d. C., que originalmente seria composto por quatro elementos: base, fuste, imposta e capeamento. Encontra-se actualmente em exposição na sala Basilica Romana do Museu. Uma das respectivas peças é uma reconstituição, sendo as outras originais. Estas possivelmente terão de facto integrado o mesmo monumento, não apenas devido à compatibilidade de dimensões mas também por serem todas provenientes da velha ermida de São Miguel de Odrinhas – onde se encontravam reutilizadas como material de construção –, de cujas paredes foram retiradas em 1955. Tem a seguinte inscrição:

 

D(iis) . M(anibus) / M(arci) . VALERI(i) . M(arci) . F(ilii) / GAL(eria tribu) . GALLIONIS / AN(norum) . XXX . III / LICINIA MAXVMA / MATER . F(aciendum) . C(urauit) //

Tradução: “Aos deuses Manes de Marcus Valerius Gallio, filho de Marcus, (inscrito) na (tribo) Galeria, de 33 anos de idade. Licinia Maxuma, a mãe, mandou fazer (este monumento).”

 

O nome do defunto, tal como o da sua mãe, é indicativo de plena romanidade, explicitando-se a sua condição de cidadão romano. Gallio é, todavia, um cognomen que, na sua origem, remete para a região da Gália, e mesmo o seu sufixo é elemento onomástico comum nas regiões célticas. Falecido com 33 anos, a mãe, que lhe sobreviveu, prestou homenagem ao filho com esta monumental sepultura.

 

Marta Ribeiro